AmstedMaxion

Criando caminhos, de A a Z: 

75 anosPortal do fornecedor

Releases

21/11/2013 | Nova tecnologia diminui 30% do tempo de descarga no Porto de Santos Tecnologia desenvolvida por AmstedMaxion e Norgren descarrega até 110t de açúcar. A descarga automatizada já é comum em países como Austrália e Arábia Saudita. Inédito no Brasil, o protótipo da tecnologia já está sendo operado.

O Porto de Santos escoou cerca de 16,8 milhões de toneladas de açúcar em 2012¹ O produto chega em vagões com capacidade para 100t e são necessários 15 minutos para sua descarga. O que parece um processo simples e rápido envolve, sem considerar outras dificuldades², aplicar uma força de 250 kg para abertura lenta das portas de descarga do vagão. Hoje, para alcançar este resultado, são necessários no mínimo seis homens na operação de abertura e fechamento mecânicos, sinalização e conferência. Com a tecnologia de descarga automatizada todo o processo será executado com apenas dois funcionários.

Para aperfeiçoar este processo, reduzindo tempo e custos, e aumentando produtividade e segurança, a AmstedMaxion e a Norgren se uniram para desenvolver uma tecnologia de descarga automatizada para vagões que funcionam no Porto de Santos. Embora já seja utilizada em outros países, a tecnologia é a primeira do seu tipo no Brasil. No projeto, que levou dois anos para ser desenvolvido, a Norgren apresenta sua expertise em tecnologia pneumática. Nesse caso, um atuador aciona o sistema de abertura das portas de descarga dos vagões AmstedMaxion com rapidez e segurança.

“Nossa solução inicial era muito similar a outras soluções que já temos instaladas em outros países. Porém, ela se mostrou muito frágil para a realidade brasileira. Precisamos levar em conta preocupações como o vandalismo, facilidade operacional e segurança. Ter estudado profundamente estas demandas nos colocou em uma posição privilegiada para oferecer o que realmente o mercado reconhece como diferencial. Este é o tipo de tecnologia que traz vantagens reais para o mercado, colaborando para reduzir o custo Brasil” afirma Ricardo Rodrigues, CEO da Norgren para o Brasil e a América Latina.

Com a descarga automatizada, todo o processo pode ser concluído em até 5 minutos. Ou seja, se antes era possível descarregar 400 t de açúcar em umaq hora, agora será possível descarregar 1200 t. Mas o objetivo é reduzir ainda mais o tempo de descarga dos vagões graneleiros, com aplicações da descarga em movimento. Na primeira fase de testes, a descarga automatizada foi aplicada com o vagão parado.

Os testes com a nova tecnologia começaram no final de 2012, nos terminais do Porto de Santos. O açúcar foi escolhido para avaliar o novo processo por ser um material de difícil descarga. Apesar dos vagões serem protegidos por escotilhas superiores e pintura interna, o produto pode sofrer reação por umidade ambiente. Por exemplo, se o açúcar no vagão tem contato com a água da chuva no seu transporte, ele cristaliza. Nesse caso, a abertura mecânica das portas se torna ainda mais difícil, necessitando de mais força – cerca de 500 kg. No processo automatizado, a força do cilindro pneumático é suficiente, pois alcança até 2 t.

“Sendo o primeiro do seu tipo no Brasil, esse projeto está vencendo a resistência do setor por novas tecnologias, já que os resultados com redução de tempo e custos são claros. Nosso plano a pequeno e médio prazo é a aplicação para descarga em movimento, o que irá aumentar ainda mais a eficiência da operação logística. E a longo prazo pretendemos automatizar também o processo de carregamento do vagão” aponta Anderson Santos, responsável pelos projetos do setor ferroviário na Norgren Brasil.

Já que não necessita de força humana para acionar as portas, a tecnologia torna o processo de descarga mais seguro. Do mesmo modo, a carga está mais segura quando os vagões ficam parados nos pátios do porto por dias, já que é mais difícil vencer a força do cilindro com força humana.

“A tecnologia de descarga por meio de ar comprimido, vem trazer para os operadores logísticos, ferrovias e terminais, o que há de mais moderno em termos de automatização ferroviária, comparável ao que existe de mais moderno no mundo. Com a aplicação deste sistema, o ciclo operacional será tremendamente reduzido, fazendo com que o ativo ferroviário seja otimizado e com mais rápida amortização dos investimentos. Em um futuro bem próximo, os vagões automatizados eliminarão os gargalos de descarga nos portos brasileiros, elevando a competitividade do país, já que esta solução poderá ser aplicada na frota nova e também existente por meio de um kit de transformação”, comenta Paulo Mauricio Rosa, Diretor de Engenharia Avançada da AmstedMaxion.

A tecnologia passará a ser aplicada em vagões de diferentes indústrias a partir do último trimestres de 2013 e poderá ser aplicada pelas indústrias em outros portos brasileiros para otimizar o processo logístico e reduzir custos.

Desafios – Para Ricardo Rodrigues, CEO da Norgren América Latina, a aplicação deste tipo de tecnologia enfrenta uma série de dificuldades quando se refere ao cenário infra-estrutural dos portos brasileiros. “A tecnologia, em si, vai causar um impacto fundamental no aumento da produtividade nos portos, dando um novo rito logístico no transporte de cargas. Mas a infra-estrutura portuária também precisa de desenvolvimento para ter o resultado ainda mais eficiente”, comenta Ricardo.

No Porto de Santos, especificamente, a maioria das moegas nos terminais têm capacidade para vagões de até 50 t, conforme o planejamento logístico original. No entanto, com o aumento da demanda e transporte de volumes no decorrer dos anos, hoje os vagões que chegam ao pátio comportam de 100 a 120 t – maior que a maioria das moegas, que ainda não foram substituídas. Isso gera um alto volume de descarga e, portanto, aumentam as filas de vagões nos pátios.

A segurança é outro ponto importante para o sucesso do projeto. Frequentemente, os vagões que ficam no pátio do Porto à noite, são vandalizados para saques. Uma parte das cargas que podem ser transportadas mais facilmente é levada. Durante o período de testes, o vagão com tecnologia de descarga automatizada foi alvo de saqueadores que, embora não tenham conseguido abrir as portas em função da força atribuída às portas, vandalizaram o protótipo no pátio.

Sobre a Norgren

Líder global em automação pneumática e controle de fluídos, a Norgren desenvolve soluções inovadoras há mais de 80 anos para os setores automotivo, de energia, ferroviário, médico e de alimentos & bebidas. Sua rede alcança 75 países no mundo todo, com o objetivo de atender a demanda dos mais variados clientes e parceiros, além de entregar Engeneering Advantage, que é o conceito baseado no fornecimento de produtos de alto desempenho, serviço qualificado e excelência técnica. No Brasil há 38 anos, as soluções da companhia estão presentes em 15 Estados mais o Distrito Federal, além dos serviços disponibilizados para todo o país por meio da loja virtual Norgren Express.

Conheça a Norgren: http://www.norgren.com/br/

Sobre a AmstedMaxion

A AmstedMaxion é referência latino-americana no desenvolvimento e fabricação de vagões de carga, rodas de aço fundido e componentes ferroviários, também presta serviços de reparação, adaptação e modernização de vagões e seus componentes, através da linha AMais.

Em sua fundição são produzidas peças de aço para aplicação em máquinas e equipamentos de construção civil, mineração, siderurgia, automotiva e ferroviária. Com duas unidades no interior de São Paulo, a empresa alcança uma capacidade anual de 40 mil toneladas de peças fundidas de aço, 92 mil rodas ferroviárias e 10 mil vagões de carga.

Conheça a AmstedMaxion: http://www.amstedmaxion.com.br/

Contatos para a Imprensa

AmstedMaxion

Rosane Storto: 12 3184-1232 | imprensa@amstedmaxion.com.br

Norgren

Rafael Aragão: 11 3094-2285 | rafael.aragao@bm.com

Raquel Vitorino: 11 3094-2252 | raquel.vitorino@bm.comVoltar aos Releases...

AmstedMaxion - Imprensa

Newsletter


/// Assine nossa newsletter.

Acesso rápido


© 2018 | AmstedMaxion Criando Caminhos | Todos os direitos reservados