Estudo de viabilidade para ferrovia que vai ligar Paraná ao Mato Grosso do Sul deve ser assinado em julho

De acordo com a Semagro, ferrovia vai ligar Cascavel (PR) a Maracaju (MS).

O Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) que integra o processo de licitação para a construção do trecho ferroviário que irá interligar o município de Maracaju à cidade de Cascavel (PR) deve ser assinado nos próximos 30 dias pelos governos do Paraná e de Mato Grosso do Sul.

A informação foi dada na tarde de segunda-feira (15) ao secretário Jaime Verruck, da Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro) durante a primeira reunião de trabalho após o anúncio da qualificação do projeto no âmbito do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) realizado pelo Ministério da Economia e que deve acelerar o processo de desestatização da Estrada de Ferro Paraná Oeste S.A. (Ferroeste).

Conforme Verruck, a partir de agora, o governo federal passa a auxiliar o governo paranaense com apoio técnico regulatório necessário para a elaboração do edital de licitação, sendo que o primeiro passo é o EVTEA. “Mato Grosso do Sul será diretamente beneficiado já que será construído um ramal de extensão até Maracaju abrindo novo canal de escoamento de soja, etanol e outros produtos até o Porto de Paranaguá. Essa é uma obra de extrema relevância, pois vai oferecer uma alternativa logística mais competitiva para o escoamento da produção do nosso agronegócio. A qualificação do projeto no âmbito da PPI é extremamente importante para atrair investidores”, comentou.

De acordo com o secretário da Casa Civil do Governo do Paraná, Luiz Antonio Fagundes , o EVTEA já foi licitado e contratado pelo Governo do Paraná, com recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). A perspectiva é de que nos próximos 30 dias ocorra a assinatura com a empresa ganhadora.

Segundo o diretor-presidente da Ferroeste, André Gonçalves, a Ferroeste, no trecho de 248 km entre Guarapuava (PR) a Cascavel (PR), bateu recorde de operação neste ano. “O foco é fazer chegar até o Porto de Paranaguá e interligar Maracaju nesse percurso”, acrescentou.

Ainda de acordo com Jaime Verruck., o passo seguinte será o início da elaboração do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e seu respectivo Relatório de Impacto Ambiental (RIMA). “O EIA-RIMA é de competência do Ibama pois trata-se de uma obra com impacto em dois estados no Rio Paraná, que é da jurisdição da União. Esperamos que seja estabelecido um termo de referência pelo Ibama, mas os órgãos ambientais dos estados vão ficar à disposição para apoiar.

A expectativa, de acordo com o titular da Semagro é de que o leilão da Ferroeste ocorra e seja concluído até o final de 2021. “Já existe uma concessão vigente para essa ferrovia, que vai até 2079. Há uma estimativa inicial de investimento total na ordem de R$ 8 bilhões, sendo que cerca de R$ 3 bilhões voltados para as obras no percurso dentro de Mato Grosso do Sul, o que daria uma perspectiva de mais de mil empregos no período de construção. É uma obra fundamental para o Estado”, finalizou o secretário.

Fonte: G1

Compartilhe nas Redes Sociais:

©2020 | AmstedMaxion Criando Caminhos | Todos os direitos reservados