Safra nacional impulsiona setor de máquinas no RS

Produção de grãos no ciclo 2021/2022 e demanda do Centro-Oeste garantem alta nas vendas e atenuam efeitos negativos da estiagem

Correio do Povo – Após emplacar um salto de quase 50% nas vendas em 2021, os fabricantes de máquinas e implementos agrícolas gaúchos começaram este ano em ritmo acelerado. No primeiro trimestre, a receita do segmento aumentou de 3% a 4% em relação ao mesmo período do ano passado, estima o Sindicato das Indústrias de Máquinas e Implementos Agrícolas no Rio Grande do Sul (Simers). O resultado é atribuído ao bom desempenho geral da safra brasileira de grãos 2021/2022 e à demanda de compradores do Centro-Oeste, que atenuaram o impacto negativo da quebra de produção no Estado causada pela estiagem.

O presidente do Simers, Cláudio Bier, projeta que o crescimento se mantenha no segundo trimestre. “Todas as empresas estão com a carteira de pedidos cheia, algumas com pedidos até o fim do ano”, afirma. Segundo o empresário, o segmento ainda enfrenta os gargalos logísticos decorrentes da pandemia, como a falta de chips, que são componentes importados. “Não temos máquinas para pronta entrega, então o agricultor se deu conta de que, para conseguir o equipamento que quer, tem de se programar”, diz Bier.

Outro entrave para o aumento de produção, explica o dirigente, é a falta de mão de obra qualificada. No primeiro trimestre deste ano, as indústrias gaúchas empregaram em torno de 2,8 mil pessoas.

Em nível nacional, a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) estima que as vendas de maquinário agrícola tenham crescido 9% de janeiro a março deste ano frente ao primeiro trimestre de 2021. O vice-presidente regional da entidade, Hernane Cauduro, observa que esse avanço ainda não reflete os negócios alinhavados durante a 27ª Agrishow, realizada de 25 a 29 de abril em Ribeirão Preto, com um resultado financeiro recorde estimado em R$ 11,2 bilhões. “Isso mostra que o setor continua com demanda forte”, avalia o dirigente.

Segundo Cauduro, o bom momento da indústria indica uma tendência de renovação no campo, já que o parque de máquinas agrícolas brasileiro tem, em média, 15 anos. “O agricultor está de certa forma capitalizado (pela safra 2020/2021), com uma sinalização de preços das commodities se mantendo fortes, então ele vai investir em produtividade”, destaca.

Foto: New Holland/divulgação

Fonte: Correio do Povo (https://www.correiodopovo.com.br/not%C3%ADcias/rural/safra-nacional-impulsiona-setor-de-m%C3%A1quinas-no-rs-1.819148)

Compartilhe nas Redes Sociais:

©2022 | AmstedMaxion Criando Caminhos | Todos os direitos reservados